[P+2T] Ebook Erótico #2: Download gratuito!

terça-feira, outubro 23, 2012

Meu corpo, meu caro, caro corpo

terça-feira, outubro 23, 2012
Crônica publicada no caderno Mulher Interativa - Jornal Agora - outubro de 2012.

Molho a pena imaginária no pote do saudosismo – culpa dele o gotejar de reticências – e me permito essa carta pública a um remetente que a dispensa, uma vez que me lê do avesso, mas... a outros tantos, tem valia – e eu inclusa neles:


Foto datada de março de 2011 - 1 ano antes do tal 'grande dia' citado neste texto. 
Antes de qualquer coisa: quem é você e o que você fez com aquela que costumava ser eu? Não leve para o lado pessoal, sim? Sei que nenhum de nós tem culpa, mas a atual situação está insustentável - convenhamos! As mudanças são tantas e tão drásticas que, num dado momento, você se tornou um completo estranho para mim - e isso foi muito difícil, uma barra, especialmente nos primeiros dias - eu mal conseguia te olhar nos olhos. Creio que te deva desculpas por conta disso.

Com o passar do tempo e a considerável diminuição da sua -nossa- silhueta, acredito que tenhamos assinado uma espécie de tratado de paz - não que antes estivéssemos em guerra, afinal, sempre fomos aliados e fizemos juntos o que de mais grandioso se pode fazer na vida: geramos uma nova vida! Pusemos no mundo uma linda e encantadora criaturinha e isso, obviamente, teve um alto custo - tem mesmo que ter, é justo. Custo esse que ainda estamos pagando, das mais variadas formas, embora a mais cara delas não caiba em números.

Digo que fizemos juntos porque ter um filho é uma tarefa exclusivamente da mãe - fazer, sim, outra participação pode reivindicar o mérito, criar, também, mas ter, no sentido 'parido' da palavra, não.

Só nós dois sabemos o quão pesados eram aqueles 20 quilos extras, o quão doídos eram os movimentos mais simples e o quão doido o mundo se tornou durante aquele verão, aquele maldito verão em que os sapatos não cabiam, em que os botões não fechavam... e todo aquele cós de elástico e os tops no lugar dos sutiãs e  a saudade de enxergar as próprias partes íntimas... Incontáveis litros de cremes e óleos a nos besuntar dia após dia... E das noites, então, melhor nem lembrar! Tempos difíceis foram aqueles... Tempos maravilhosos!

Apesar de todos os pesares, nos sentíamos tão lindos: você e eu com ele dentro. E desconfio que estivéssemos mesmo, a julgar pelo olhar de encantamento com o qual todo o resto do mundo nos assistia passar - encantamento com uma pitada de pavor, algo do tipo "tomara que essa mulher não tropece agora ou vai cuspir o bebê aqui"- e não tropeçamos, seguimos juntos, firmes e fortes [bem mais fortes do que firmes] e trabalhamos até o grande dia... em que o tão esperado trabalho não aconteceu nem como nem quando esperávamos, mas nem por isso foi menos grandioso o dia em que ele veio - e veio bem, muito bem,  a nos olhar pela primeira vez... E fez de tudo tão menor... E fez de nós tão melhores, apesar da aparência!

E se por conta disso ganhamos estrias que nos farão aumentar a barra dos shorts e a necessidade de sutiãs três vezes maiores e mais reforçados... E se o nosso cabelo já não é o mesmo, e se ganhamos uma profunda cicatriz no abdome que um dia foi nosso maior orgulho - e que, provavelmente, nunca mais será o mesmo - e se nem nossa bunda parece a mesma, fazer o quê?

Como se pode tanto lamentar, quando se tem uma fonte inesgotável de orgulho a carregar agora fora do corpo? Simples: lamentando – é a parte mulher que se sente diminuída pelo espaço que ocupa a parte mãe. E não dá para ser mãe E mulher E linda como ambas? Dá... Mas requer dedicação, um punhado de paciência e outro de realismo: difícil algo se manter o mesmo depois de tudo que vivemos...

E que graça tem em ser o mesmo?

Bom mesmo é ser novo a cada dia e ter histórias a se contar sobre as velhas coisas.
Desculpe pelo longo texto, Seu Corpo, meu corpo, corpinho, já que somos íntimos, mas era preciso dizer tudo isso antes de te agradecer: obrigada por me levar por aí mesmo quando não quero muito fazê-lo e por se mostrar mais forte e resistente que eu poderia supor. Obrigada por fazer aquela magia -não encontro outra explicação- de encantamento que mantém um homem morrendo de amor por nós, mesmo tendo ele nos visto de perto no pós-parto - e melhor ainda: obrigada, mas muito obrigada por fazer tudo isso e, finalmente, voltar a caber naquele jeans 38! Você é mesmo demais, meu caro – jamais me deixe dizer o contrário!

0 comentários:

P+2T: Especial Erótico! Baixe o seu.

Curtiu? Curte lá: P+2T no Facebook

Ou siga por email, inscrevendo o seu aqui:

 
◄Design by Pocket Distributed by Deluxe Templates
Blogger Templates